Seja o "eco" da SPECO

Prémio de Doutoramento em Ecologia? “A candidatura é simples e, além de não terem nada a perder, poderão ter muito a ganhar!”: a entrevista a Alice Nunes

 

 

A SPECO entrevistou Alice Nunes - vencedora do segundo prémio na primeira edição do Prémio de Doutoramento em Ecologia - para saber o que há a dizer aos jovens ecólogos portugueses que estão a pensar candidatar-se em 2018. 

 

SPECOO que a levou a concorrer ao prémio?

AN: Tomei conhecimento do concurso e fui também incentivada pelos meus orientadores. Como reunia as condições de eligibilidade e o processo de candidatura era relativamente simples, decidi concorrer. O facto de ser um prémio atribuído pela Sociedade Portuguesa de Ecologia foi uma motivação extra, pelo prestígio que representa uma distinção na área de Ecologia a nível nacional.

 

SPECOQual foi o impacto que o prémio teve para a sua carreira científica?

AN: Ter-me sido atribuído o segundo lugar do prémio contribuiu para uma divulgação mais ampla do meu trabalho de doutoramento, por exemplo, através da publicação de notícias e de entrevistas que dei a este respeito e da apresentação no congresso da SPECO. Essa divulgação suscitou o interesse de outros colegas investigadores, abrindo portas para futuras colaborações, além de potenciar o impacto do meu trabalho junto de outros públicos. Esta distinção é também importante para o meu curriculo e um incentivo para continuar a trabalhar em investigação em Ecologia. É muito gratificante ver o nosso trabalho reconhecido entre outros de muito boa qualidade, e um motivo de orgulho pelo facto de ser promovido pela Sociedade Portuguesa de Ecologia.

 

SPECOO que recomendaria a todos os que possam estar na dúvida de concorrerem?

AN: Recomendaria que concorressem, sem sombra de dúvida. A candidatura é simples, não toma muito tempo e, além de não terem nada a perder, poderão ter muito a ganhar! Boa sorte.

Está a pensar candidatar-se ao Prémio de Doutoramento em Ecologia? “Não pensem duas vezes.”: a entrevista a Ricardo Rocha

 

 

A SPECO entrevistou Ricardo Rocha - vencedor do primeiro prémio na primeira edição do Prémio de Doutoramento em Ecologia - para saber o que há a dizer aos jovens ecólogos portugueses que estão a pensar candidatar-se em 2018. Na fotografia, Ricardo Rocha com morcego da espécie Phyllostumus hastatus (autoria de Oriol Massana).

 

SPECO: O que o levou a concorrer ao prémio?

RC: Foram muitas as razões que me levaram a concorrer ao prémio Amadeu Dias. As principais talvez tenham sido o desejo de ver o trabalho reconhecido e a possibilidade de poder partilhar esta distinção com os meus orientadores e colegas de projeto. Mas, além disto, achei que o prémio era importante por uma outra razão: foram muito poucos os cientistas portugueses negros com quem me cruzei enquanto estudava. Vi este prémio como uma oportunidade para mostrar que a ciência em Portugal pode ser mais diversa. Muito se fala na importância da diversidade de género, e no quão importante é ter cientistas do sexo feminino que sirvam de inspiração a jovens investigadoras. A meu ver, o mesmo se aplica às comunidades afro-europeias, onde eu me insiro, e aos outros grupos menos representados na nossa sociedade. O prémio pareceu-me uma excelente oportunidade de servir de inspiração a outros que se autoidentificam como pertencentes a grupos étnicos e raciais pouco representadas na comunidade científica portuguesa.

 

SPECO: Qual foi o impacto que o prémio teve para a sua carreira científica?

RC: O prémio foi atribuído há apenas um ano, pelo que imagino que eventuais consequências do mesmo sejam sentidas mais a jusante. No entanto, no imediato usei o dinheiro do prémio para participar no congresso anual da Association for Tropical Biology and Conservation, que irá decorrer em Julho na ilha do Bornéu. Aí irei apresentar o meu trabalho de doutoramento e, juntamente com o meu colega Adrià Lopez-Baucells, irei organizar um simpósio sobre ecologia e conservação de morcegos tropicais.

 

SPECO: O que recomendaria a todos os que possam estar na dúvida de concorrerem?

RC: Que não pensem duas vezes. Estes prémios são super importantes para a carreira de jovens investigadores. Agora estou a trabalhar no Reino Unido onde existem vários prémios para estudantes de doutoramento. Infelizmente em Portugal as oportunidades são mais escassas, o que nos deixa numa posição de desvantagem quando estamos a competir por posições e bolsas no contexto internacional. Tanto pelo prémio monetário como pelo prestígio, o prémio Amadeu Dias é uma enorme mais valia para o CV de qualquer jovem cientista e, como tal, aconselho que todos aqueles que se considerem elegíveis se candidatem. Com isso valorizam não só o seu trabalho, mas também a ciência feita em Portugal.

Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias 2018

Prémio Doutoramento em Ecologia 2018

 

Em 2018, a SPECO continua a iniciativa, lançada pela primeira vez em 2017, de oferecer um prémio para recém doutorados, como forma de valorizar o trabalho desenvolvido ao longo do seu programa doutoral. Este prémio só é possível devido à generosidade de uma Fundação privada, a Fundação Amadeu Dias, desperta para os desafios do interesse público que, numa feliz convergência de função social e de lucidez, foi possível encaminhar para satisfazer um sonho de há muito.

Esta é, pois, uma maneira de valorizar o trabalho dos nosso jovens doutores, através de um programa posto a concurso, que será escrutinado por um júri idóneo que, com criteriosa seriedade, avaliará as propostas submetidas. Os jovens doutorados terão de ser sócios da SPECO e terão à sua disposição um regulamento exigente, mas transparente, que pretende funcionar como incentivo à investigação ecológica. Este ano serão atribuídos três prémios monetários, no valor de 2500€, 1500€ e 1000€, respectivamente aos primeiro, segundo e terceiro classificados.

À semelhança do ano passado, este prémio é o resultado de um fundo de recursos adicionais, colocado à disposição de quem do mérito der provas, para que possa valorizar o esforço desenvolvido durante o seu trabalho de doutoramento. Representa, acima de tudo, um exemplo de parceria empenhada num exercício consistente de desenvolvimento científico e social, graças ao atento patrocínio da Fundação Amadeu Dias. São pequenos passos como estes que são significativos e que temos de agradecer, para que esta iniciativa se continue a afirmar, robustecer e amadurecer.

 

            A Direcção da SPECO

Professora Maria Amélia Martins-Loução

(Presidente)

 

Período de candidatura: 1 de Março de 2018 a 30 de Junho de 2018

Documentos:

Regulamento

Formulário de candidatura 

Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias Vencedores da Edição 2017

Já são conhecidos os vencedores da primeira edição do Prémio de Doutoramento em Ecologia – Fundação Amadeu Dias, organizado pela SPECO – Sociedade Portuguesa de Ecologia. Os três primeiros classificados irão apresentar o seu trabalho no 16º Encontro Nacional de Ecologia, que terá lugar a 9 e 10 de novembro na Reitoria da Universidade de Lisboa.

Ricardo RochaAlice Nunes, investigadores no cE3c (Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Climáticas) da Universidade de Lisboa, e Elsa Teresa Rodrigues investigadora no CFE (Centro de Ecologia Funcional), da Universidade de Coimbra foram seleccionados como primeiro, segundo e terceiros classificados, respectivamente, pelo júri convidado a avaliar as candidaturas ao Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias.

Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias

A SPECO lança, pela primeira vez, um prémio para recém doutorados como forma de valorizar o trabalho desenvolvido ao longo do seu programa doutoral. Este prémio só é possível devido à generosidade de uma Fundação privada, a Fundação Amadeu Dias, desperta para os desafios do interesse público que, numa feliz convergência de função social e de lucidez, foi possível encaminhar para satisfazer um sonho de há muito da SPECO.


Esta é, pois, uma maneira de valorizar o trabalho dos nosso jovens doutores, através de um programa posto a concurso, que será escrutinado por um júri idóneo que, com criteriosa seriedade avaliará as propostas submetidas. Os jovens doutorados terão de ser sócios da SPECO e terão à sua disposição um regulamento exigente, mas transparente, que pretende funcionar como incentivo à investigação ecológica. Serão atribuídos três prémios, dois monetários, no valor de 2500€ e 1000€, respectivamente para o primeiro e segundo prémio, e uma menção honrosa para o terceiro prémio.


Este prémio é o resultado de um fundo de recursos adicionais, colocado à disposição de quem do mérito der provas, para que possa valorizar o esforço desenvolvido durante o seu trabalho de doutoramento. Representa, acima de tudo, um exemplo de parceria empenhada num exercício consistente de desenvolvimento científico e social, graças ao atento patrocínio da Fundação Amadeu Dias. É um passo tentativo, sim, mas é um passo que temos de agradecer, robustecer e mobilizar esforços, para que esta iniciativa se firme e afirme, cresça e frutifique.

 

As candidaturas estão abertas de 8 de Julho a 8 de Setembro