Um novo olhar sobre o planeta

O artigo de opinião de Maria Amélia Martins-Loução - Presidente da SPECO - no jornal Público, que assinala o dia 22 de Abril, dia da Terra.

O consumo ávido e egoísta origina problemas ambientais e desequilíbrios sociais, como aqui se exemplifica.

Primavera silenciosa

Primavera silenciosa

Estaremos nós a caminhar para uma Primavera silenciosa depois destas tempestades invernosas dos últimos dias?

"A Primavera Silenciosa é uma obra clássica de 1962, onde a bióloga americana Rachel Carson alertou para o efeito nefasto do insecticida DDT e de outros pesticidas no ambiente, em geral, e na saúde humana, em particular. As suas obras, e em particular este emblemático livro, despertaram uma consciência ambiental global e a base do movimento que levou à regulamentação, fiscalização e utilização dos pesticidas. Trinta anos mais tarde, John Richard Krebs, biólogo inglês, lançou, na revista científica Nature, outro alerta para o que intitulou a segunda Primavera silenciosa. Neste caso, referia-se sobretudo à perda de diversidade biológica, particularmente da paisagem inglesa, em resultado da intensificação e extensificação da agricultura com monoculturas. E em Portugal? Trinta anos após este último grito inglês de alerta, estaremos nós a caminhar para uma Primavera silenciosa depois destas tempestades invernosas dos últimos dias? Os alertas são frequentes e constantes, tanto nos jornais como nas redes sociais. Mas o autismo mantém-se: a sociedade urbana, apesar de estar sensível, considera que o problema não é seu; a sociedade rural transmite estes mesmos alertas, faz o que pode, mas o seu sustento fala mais alto; os governantes alicerçam-se em números, índices de economia e de satisfação do povo, e no cumprimento de regras, nacionais e europeias. As paisagens portuguesas estão feridas. Feridas com diferente gravidade, mas que urge sarar e tratar profundamente."


Leia o artigo completo no Público: 
https://www.publico.pt/2018/03/14/ecosfera/opiniao/primavera-silenciosa-1806337

Para lá da tragédia... uma oportunidade perdida?

Para lá da tragédia... uma oportunidade perdida?

A recuperação de toda a área ardida é um assunto sério que não pode ser tomado de forma avulsa.

Muito se falou sobre a desgraça que se abateu em Portugal nos últimos cinco meses. Será pouco o que se vai ou tenciona fazer para devolver um pouco de dignidade a quem não dependia de ninguém a não ser da sua casa, pedaço de terreno e trabalho braçal. 

 

Leia o artigo completo Público

Portugal e Espanha lançam parceria ibérica para relançar a ecologia

Lançada esta quinta-feira durante o 16.º Encontro Nacional de Ecologia, na reitoria da Universidade de Lisboa, a Sociedade Ibérica de Ecologia tem um objectivo muito claro: estreitar as ligações científica entre Portugal e Espanha, bem como “constituir uma plataforma de diálogo entre investigadores e relançar a ecologia como ciência”.

 

Leia o artigo completo: Green Savers

Como a ecologia não tem fronteiras, criou-se uma sociedade ibérica para ela

Portugal e Espanha unem-se pela ecologia, para reforçar o papel dos ecólogos na sociedade.

As alterações climáticas ou a crescente urbanização são temas que não têm fronteiras. E foi a pensar nisso que a Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO), a Associação Espanhola de Ecologia Terrestre e a Associação Ibérica de Limnologia criaram a Sociedade Ibérica de Ecologia, lançada esta quinta-feira durante o 16.º Encontro Nacional de Ecologia, na reitoria da Universidade de Lisboa.

 

 Leia o artigo completo: Público

O continuum Ecologia-Economia

O desenvolvimento com base nos serviços ecológicos ainda é uma prioridade menor para as políticas do imediato.

Nos dois últimos anos, Portugal perdeu 13% de área florestal, quase o dobro do que tinha perdido em 25 anos (7%). Ao arrepio do que se verifica nos países europeus da bacia do Mediterrâneo, onde a florestação tem vindo a aumentar entre 18 a 33%, Portugal assiste a uma percentagem semelhante, mas a diminuir. Este desastre ambiental, resultado da incompetência sucessiva de políticas falhadas, arrasta perdas económicas e ecológicas imensuráveis. De entre as hierarquias de prioridades políticas, as estratégias da reforma florestal e da conservação da natureza não possuem peso eleitoral ou valor intrínseco na consciência das sociedades para obrigar os políticos a valorizar um território cada vez mais votado ao abandono. É o eterno dilema da economia versus ecologia: os economistas dão poder, os ecologistas trazem reivindicações. Mas ao contrário destes, que se associaram a movimentos políticos, os ecólogos são cientistas que olham e vêm os problemas como um todo, de forma holística.

 

Leia o artigo completo: https://www.publico.pt/2017/09/22/ecosfera/opiniao/o-continuum-ecologiaeconomia-1786203

A propósito do Dia Nacional da Conservação da Biodiversidade

Assinala-se hoje o Dia Nacional da Conservação da Biodiversidade. Biodiversidade significa variabilidade de seres vivos e habitats e Portugal tem uma vasta rede de áreas protegidas, correspondente a 21% do seu território. Possui um elevado acervo de recursos biológicos com 15% de espécies endémicas, ou seja, exclusivas do nosso país. No entanto, pelo menos, 30% dos habitats naturais não se encontra em boas condições de conservação. Nalguns locais, tem havido um retrocesso com extinções de espécies, modificações de habitat, aumento de invasores e dos seus efeitos. Por outro lado, o desconhecimento das condições reais de conservação das espécies terrestres é muito elevado e limitadíssimo o conhecimento da biodiversidade marinha e seu estatuto de conservação. Numa altura em que o país está devastado pelas chamas, é quase irrisório chamar-se a atenção para este dia. Por isso, a discussão pública sobre a Estratégia Nacional para a Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ENCNB 2025) lançada pelo Governo tem papel relevante para a política nacional do ambiente. Pena merecer pouco interesse por parte dos media (apenas o PÚBLICO lhe dedicou espaço no dia 9 de Junho) e da sociedade em geral.

 

Leia o artigo completo: https://www.publico.pt/2017/07/28/ecosfera/noticia/a-proposito-do-dia-nacional-da-conservacao-da-biodiversidade-1780498

Depressa e bem não há quem

Muito se tem falado sobre a catástrofe que abalou Portugal, não só entre portas mas a nível internacional. Aos governantes caberá apurar responsabilidades, aos cidadãos o luto e movimentos de solidariedade e aos media fornecer informações correctas e claras. Os cientistas já tinham alertado, escrito, informado, sobre as consequências da falta de estratégias, de ordenamento de território, de investimento público das zonas florestais. Apressa-se agora o Governo a decretar rapidamente leis que já há muito deviam ter sido redigidas e discutidas e que, apesar de todas as consultas públicas, pareceres e debates, têm inúmeras falhas porque têm muito pouca estratégia e preocupação futura. Bem diz o povo “depressa e bem não há quem”!

 

Leia o artigo completo: https://www.publico.pt/2017/06/28/sociedade/noticia/depressa-e-bem-nao-ha-quem-1776903