A biodiversidade na base dos Serviços dos Ecossistemas e como ferramenta em Ecologia de Ecossistemas

Índice do artigo

Dos Ecossistemas Naturais aos Sistemas Sócio-Ecológicos

As atividades humanas têm afetado de tal forma o planeta, quer de forma direta quer indireta, que alguns autores propuseram alterar o nome da era geológica actual, Holoceno, para Antropoceno. Com esta alteração pretende-se sensibilizar a sociedade para o elevado impacto que o Homem tem tido na Terra, muito superior ao das flutuações naturais (Williams et al., 2016). Apenas um conhecimento profundo de como os ecossistemas funcionam e da sua resistência e resiliência a pressões externas permite uma análise quantitativa, cientificamente comprovada, de quais as estratégias mais eficazes de mitigação e adaptação às mudanças causadas pelo Homem. A abordagem ecossistémica é fundamental na gestão dos recursos da Terra, porque aborda as interações com os sistemas bióticos, dos quais os seres humanos são uma parte integrante, e com os sistemas físicos, de que depende. Tal aplica-se à escala da Terra como um todo, a um continente, ou a um campo agrícola (Chapin III et al., 2002).

A gestão de ecossistemas é realizada cientificamente através de uma abordagem integrada da gestão dos seus recursos naturais promovendo a sua conservação, resistência, resiliência e diversidade. É a gestão sustentável e equitativa destes recursos que asseguram os bens e serviços que os ecossistemas prestam ao homem (Carpenter et al., 2009). Em todo o mundo, a governança e a gestão dos ecossistemas têm sido muito fragmentadas, com decisões tomadas sectorialmente (turismo, agricultura, etc.), ou abordados questão a questão, apesar das interações claras entre sectores. Em contraste com as abordagens tradicionais de gestão, a gestão de ecossistemas é uma abordagem integrada, holística, de base local para a gestão das atividades humanas, que foi proposta como uma solução para os desafios apresentados pela complexidade dos sistemas ecológicos e pela natureza fragmentada da governação (UNEP/GPA, 2006). A gestão baseada nos ecossistemas incorpora necessariamente componentes biológicas, físicas e humanas, incluindo os sistemas ecológicos, sociais e económicos. As metas de gestão baseadas nos ecossistemas incluem compreender a interacção entre as esferas biofísicas e socioeconómicas, e encontrar formas institucionais e científicas de gestão das várias atividades humanas nos ecossistemas como um todo. A compreensão holística das ligações entre os componentes do sistema social e ecológico permitirá controlar e gerir os ecossistemas como um todo (UNEP/GPA, 2006).

“…, a ecologia é presentemente vista não apenas como algo só biológico, mas também como uma ciência humana. O futuro da nossa espécie depende de quão bem consigamos entender esta extensão e empregá-la na gestão racional dos recursos naturais. Nada disto deveria ser surpreendente. Somos, afinal, uma espécie num ecossistema adaptada às condições específicas da superfície do planeta, e sujeita aos mesmos princípios da ecologia que todas as outras espécies.”