×

Aviso

com_content.category: Field=null
com_content.categories: Field=null

Ocorrência, destino e efeito da azoxistrobina nos ecossistemas aquáticos

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA), na sua última avaliação de risco ambiental da azoxistrobina, o fungicida agrícola mais utilizado no mundo, concluiu serem necessários mais estudos científicos que clarifiquem o risco deste pesticida para os organismos aquáticos. Neste contexto, através de um Projeto de Doutoramento financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, uma equipa do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra trabalhou durante quatro anos, contribuindo para responder a esta questão. Assumindo especial destaque, um estudo de revisão publicado na revista Environment International foi o ponto de partida para delinear os vários trabalhos de laboratório e de campo. No âmbito da componente espacial associada à Avaliação de Risco Ambiental, foram validados métodos analíticos que permitem determinar os níveis de vários pesticidas, entre os quais a azoxistrobina, em água superficial e matrizes estuarinas complexas, como sejam sedimento, macroalgas, plantas aquáticas e bivalves. 

Tropical forest fragmentation: effects on the spatio-temporal dynamics of its bat communities

Espaço e tempo são fundamentais em ecologia. No entanto, enquanto que a ecologia espacial é atualmente um campo estabelecido, a ecologia temporal ainda é incipiente. Num período em que a necessidade de investigação que se possa traduzir em ações de conservação nunca foi tão premente, a inclusão de aspetos temporais em estudos ecológicos é fundamental para assegurar a persistência a longo prazo dos sistemas ecológicos.

A resposta funcional de plantas à desertificação e degradação do solo – contributo para estratégias de restauro

É crucial entender o impacto das alterações climáticas nos ecossistemas áridos, pois poderão agravar a desertificação e degradação dos solos, comprometendo o funcionamento dos ecossistemas e os serviços por eles prestados. Os atributos funcionais das espécies determinam a sua resposta ao meio ambiente e também a sua influência nos processos do ecossistema. Deste modo, permitem um entendimento mecanicista da resposta dos ecossistemas ao clima. O principal objectivo deste trabalho de doutoramento foi modelar a resposta de ecossistemas áridos ao clima com base em atributos funcionais de plantas (AFP), usando um gradiente climático espacial para prever alterações ao longo do tempo. Pretendeu-se assim desenvolver um indicador ecológico baseado em AFP para monitorizar os efeitos do clima nestes ecossistemas, e contribuir para melhorar as estratégias de gestão e restauro de zonas áridas.